03 maio 2012

Comentário da Lição da Escola Sabatina – Lição 06 – 2º Trimestre 2012


Comentário da Lição da Escola Sabatina – Lição 06 – 2º Trimestre 2012
(5 a 12 de maio)

Comentário: Gilberto G. Theiss

SÁBADO, 5 DE MAIO
Evangelismo pessoal e testemunho

            “Vocês são minhas testemunhas, declara o Senhor, e meu servo, a quem escolhi” (Is 43:10)

            Pensamento Chave: A alegria da salvação é uma das poucas coisas que desejamos ardentemente oferecer aos outros a qualquer custo.


            Os amigos possuem um poder muito grande de influenciar outrem para o bem ou para o mal. Em nosso caso específico, devemos fazer de nosso laço de influência um poder para atrair pessoas à Cristo. Isto é como um perfume que usamos. Todos ao redor sentem o cheiro e o apreciam, mesmo que à distância. No entanto, o perfume sozinho fará muito pouco se não formos próximos e influentes o suficiente para permitir que as pessoas desejem saber sobre o tal perfume. Nossa vida de testemunho como evangelismo pessoal será inevitável se tivermos disposição para tal. Como uma lâmpada no lugar apropriado, nossa vida deve conter fragrâncias do evangelho que não podem ser escondidos. Há pessoas que são luzes para o mundo, mas, infelizmente ficam tentando esconder essa luz para não ser vista. Mas, para os que não possuem vergonha do evangelho, este evangelho trará grande bênção somente pelo uso do exemplo. Agora, se nosso exemplo não fizer pelos outros, o que Deus deseja, e pior ainda, se nosso exemplo afastar pessoas do verdadeiro evangelho, grande perigo estaremos atraindo para nós. Ao mesmo tempo em que podemos ser uma bênção, podemos também ser uma maldição. Em um mundo onde os maus  exemplo é compartilhado por todos os lados, Deus deseja que façamos do bom exemplo, uma poderosa arma para resgatar as pessoas das mentiras propagadas pelo mundo.
           
DOMINGO, 6 de MAIO
Meu Deus e eu
(At 4:13 e 14)

             Deus poderia permitir que os anjos fizessem o trabalho de apresentação da verdade ao mundo. No entanto, este privilégio concedido aos anjos não seria munido do mesmo poder que os humanos, quando são coerentes com a verdade. Um anjo não foi resgatado das drogas, do adultério ou da criminalidade. Um anjo do Céu não teve problemas de família, caráter ou de vícios. Esta é a grande diferença, pois, ninguém melhor que àqueles que passaram por tais experiências para dizer com firmeza o quanto o poder do evangelho verdadeiro é, de fato, regenerador. Mas, lembre-se que, uma vida sem coerência com a verdade, não estará apta a testemunhar com o poder advindo de Deus por intermédio da verdade vivida. Claro que, em alguns casos, Deus, por misericórdia pode até falar poderosamente por intermédio de pessoas hipócritas, mas, temos que ter em mente que se trata de casos específicos e isolados com propósitos bem definidos. A lição é clara e contundente, se quisermos ser homens e mulheres repletos do poder de Deus devemos fazer valer a verdade em nossas vidas. Ellen White, certa feita, ponderou que, “Se nos humilhássemos perante Deus, e fôssemos bondosos e corteses, compassivos e piedosos, haveria uma centena de conversões à verdade onde agora há apenas uma” (Testemunhos para a Igreja, v. 9, p. 189). Em outra ocasião ela escreveu que “A sinceridade de desígnios, a verdadeira bondade de coração, eis o motivo a que o céu dá valor” (MDC, 81).
                                   
SEGUNDA, 7 DE MAIO
Meu campo missionário pessoal
 (Jo 1:37-50)

             Embora Deus tenha nos convidado a pregar o evangelho a toda nação, tribo, língua e povo, precisamos compreender que, o campo missionário mais próximo e necessitado é àquele em que nossos parentes e amigos vivem. Alguns, até de maneira cômica, afirmam que os amigos mais próximos e, em especial, os parentes, são na realidade os campos mais difíceis, talvez se assemelhando apenas à janela 10/40. Alguns conseguem, pelo poder de Deus, levar os amigos e parentes aos pés de Cristo, mas, infelizmente, muitos não conseguem realizar a mesma proeza. O campo missionário onde estão inseridas as pessoas mais próximas de nós, podem ser um dos campos mais frutíferos. Claro que, como comentado, o mesmo pode não acontecer em outros casos. Independente dos casos, sendo positivos ou não, todos nós recebemos de Deus a missão de testemunhar primeiramente dentro de nossa própria casa e no círculo de amizades próximas. A expressão, santo de casa não faz milagre está muito além de ser uma mera mentira, pois, o milagre se concretizando ou não, todos devemos, aos olhos de nossos amados, demonstrar a devida santidade. Sei que há corações que são tremendamente insensíveis, mesmo diante da ação do Espírito Santo, mas, mesmo assim, sei também que Deus pedirá conta de tudo o que deixarmos de fazer para que nossos amigos e parentes tenham mais fácil acesso ao evangelho de Deus. A grande verdade é que, muitos amigos íntimos e parentes não se convertem ou não sentem o desejo de se entregar ao que acreditamos por não ver em nós algo que venha valer a pena. Parece que, ninguém melhor do que eles para, nos conhecer o suficiente, para entender se este evangelho é realmente verdadeiro ou não. Bom, a lição é clara, meu campo missionário pessoal é, primariamente, o meu lar. Eles se convertendo ou não, devo exemplificar o evangelho em minha vida.

TERÇA, 8 DE MAIO
Meu potencial pessoal
(Salmo 139)

            Há dois exemplos distintos de pessoas que, por sua capacidade pessoal, tiveram rumos diferentes. Moisés, por ser um homem esplendidamente capacitado, e Lúcifer por ser mais esplendido que Moisés. A diferença entre ambos é que, um se achou tão capacitado que invejou e politicou pela vaga do céu que pertencia somente à Deus. O outro, Moisés, embora tenha estudado nas melhores universidades do Egito, e conhecesse muito bem a ciência de sua época, quando se deparou com a sagracidade e importância da obra de Deus, se sentiu muito pequeno para ela. Não há dúvidas que, Deus pode capacitar uma criança para realizar uma grande obra, mas, também não há dúvidas que, se perdermos o foco do significado desse potencial existente em nós, fatalmente seremos destruídos. O detalhe é que, Deus nos concede um poder capaz de potencializar nossas habilidades, mas, se nós o usarmos de maneira equivocada, esse mesmo poder poderá nos destruir. Usar de maneira equivocada pode ser entendido de várias maneiras: 1º Acreditar que nossas habilidades nos tornam melhores que os outros; 2º Acreditar que, por alguma razão, somos superiores; 3º Usar nossas habilidades e autoridade para subjulgar os que não se alinham conosco; 4º Acreditar que ninguém seria melhor que você para aquela função; 5º Quando perder uma função de importância, ficar aborrecido. Enfim, pode haver outras situações que indiquem quando estamos usando mal nossa potencialidades. O mais crucial entender na lição de hoje é que, Deus nos capacita para realizar Sua obra, mas Ele não pretende conceder habilidades e potencializá-las se tivermos a tendência de agir como Lúcifer. A frase “Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos” pode ter algum fundo de verdade, justamente, pela simples razão de haver pessoas que se esquecem que em nós não há absolutamente nada de bom, e que tudo provêm de Deus. A finalidade da concessão de dons da parte de Deus, é para manutenção e conclusão da obra e não para servir de massagem do ego ou engrandecimento pessoal.

QUARTA, 9 DE MAIO
O testemunho de uma vida justa
(1 Pe 3:1-15; Mt 5:16)

            Que mulher permaneceria casada com um homem que, mesmo depois de tantas promessas de amor e de fidelidade, continua vivendo uma vida de solteiro? Que homem aceitaria se casar com uma mulher que não leva a sério as responsabilidade de uma vida a dois limitada à fase do namoro? Bom, qualquer pessoa sensata seria capaz de perceber que o estilo de vida de um indivíduo pode não estar condizendo com suas palavras. Desta forma, o pensamento que falará bem alto em sua consciência é que, esta pessoa não passa de um hipócrita. Isto significa que a mensagem deste indivíduo pode não ser coerente e confiável.
            Infelizmente, em nossos dias, há muitos vendedores oferecendo produtos piratas, falsificados ou até roubados. Mas, neste caso cabe uma pergunta muito séria: “Você compraria um produto de um vendedor que tivesse um currículo e comportamento duvidoso? Uma pessoa ajuizada com certeza não compraria. Da mesma forma, você aceitaria em uma mensagem que fala de cura, quando o orador desta mensagem é um exemplo de que a cura não funciona? Observe que, mesmo que a mensagem seja verdadeira, ela não fará sentido na vida de pessoas que não vivem esta mensagem. Isto não é uma questão de ser legalista ou perfeccionista, embora sejamos falhos, Deus nos concede sua Graça para sermos capacitados a viver no dever da obediência. Não é uma troca, pois a salvação é completamente por intermédio de Cristo, se trata de entrega completa e profundo desejo de ser representante da mensagem que é poderosamente capaz de transformar o coração humano. Deus concede poder para vencer e capacita o homem que verdadeiramente deseja andar retamente e com integridade. Querendo ou não, a mensagem, para ser poderosa, ela deve estar acompanhada do testemunho. Sem testemunho a mensagem não deixará de ser meras palavras, e mais nada.

QUINTA E SEXTA 10 e 11 DE MAIO
Contribuição parcial para o programa total
(Jo 4:37, 38)

             Embora alguns insistam em se envolverem de maneira muito independente, os resultados, de alguma , poderão ser coletivos. Há um ditado muito conhecido que afirma que, “Em um time de futebol, o gol da vitória deve ser de todos, assim como a derrota, também deve ser de todos”. No ministério, a vitória final será de todos os envolvidos. Um semeia a palavra, o outro colhe, e o outro fundamenta as convicções. Vemos nesta engenhosidade, no mínimo, três pessoas envolvidas de forma direta. Semeadura e colheita é um  longo processo que encontra no caminho muitos contribuintes. O conflito entre o bem e o mal perdura quase seis mil anos, e ao longo de toda esta batalha muitos soldados feridos em batalhas espirituais, desceram à sepultura. Em nossos dias, assim como no passado, são os muitos os soldados que estão em campo batalhando pelo Senhor, pela verdade e pelos perdidos. Como visto, a participação é bastante coletiva e os resultados que se fundamentarão no futuro suscitará uma grande festa de comemoração pela vitória. Vitória esta que se deu desde o início da batalha entre o bem e o mal. Todos deixarão suas marcas neste grande conflito, e por este motivo, todos os que batalharam serão convidados a partilhar das condecorações que haverá no céu.

Gilberto G. Theiss, nascido no estado do Paraná, é membro da Igreja adventista do Sétimo dia desde 1996. Crê integralmente nas 28 doutrinas Adventista como constam no livro “Nisto Cremos” lançado pela “Casa Publicadora Brasileira”. Foi ancião por 3 anos na Igreja Adventista do Sétimo dia da cidade Nova Rezende/MG e por 6 anos na Igreja Central de Guaxupé/MG. Foi Obreiro bíblico na mesma cidade e hoje, além de ser coordenador do curso básico de reforço teológico para líderes de igreja pelo site www.altoclamor.com, está Bacharelando no Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia e cursou extensão em arqueologia do oriente próximo pela UEPB. Gilberto G. Theiss é autor de alguns livros e é inteiramente submisso e fiel tanto a mensagem bíblico-adventista quanto a seus superiores no movimento Adventista como pede hebreus 13:17. Toda a mensagem falada ou escrita por este autor é filtrada plenamente pelo que rege a doutrina bíblica-adventista do sétimo dia. Contato: gilbertotheiss@yahoo.com.br

Um comentário:

  1. gostei muito do comentário da liçáo que Deus o abençóe sempre

    ResponderExcluir

Outras Postagens semelhantes

Related Posts with Thumbnails